27 de agosto de 2013

Aprenda

Dia desses acordava ao ponto de querer sumir. Correr pra bem longe. Sem deixar pistas. Sem deixar saudades. Só sumir. E tudo que passava em minha mente, era ir. Sem saber para onde o ”ir” iria me levar. Só tinha toda a certeza da vida, que tinha que partir. Ex-amores não resolvidos, ex-amigos indesejáveis e inimigos tinham que ficar. Andava pelas ruas do centro sem destino. Descontínuo, à procura do nada. Uma mochila vagabunda nas costas, um caderno desbotado, um lápis e uma borracha suja de tanto apagar os erros. Os erros da vida. Um livro de Clarice nas mãos. Não sei porquê, mas ler Clarice, dava vontade de viver a vida. De acreditar em mim. Falhos versos, entre empoeirados a vida termina numa página rasgada, numa página esquecida. E caminhava, caminhava não sei pra onde e à onde. Mas chega uma hora que a gente cai na real, e logo pensa, que a vida, tão boa de se viver, a gente fica por ali, parado, perdendo tempo de ser feliz ficando triste. Perdendo tempo de construir o presente lembrando do passado. Veja só, que vida linda. Às vezes a gente tem tudo em nossas mãos, só que não sabemos lidar com aquilo tudo, e acha que aquilo tudo é nada. E no fim, acaba perdendo tudo. Tanta gente sendo feliz com nada, e a gente com tudo, não sabe dá conta. Hoje, Seis e pouco da manhã, me escrevo. Feliz. E não foi que acordei me amando hoje? Pessoinha querer vir tirar meus sorrisos, eu mando pra puta que te pariu. E daqui pra frente vai ser assim. Cheio de amor próprio. Chega de dar amor e receber ódio. Chega de dar carinho e receber murros. Chega de dar beijos e receber beliscão. Chega de dar bom dia e receber um tchau. É lei, pois sempre tive aquele medo de gostar. De me envolver profundamente com alguém. Amar uma pessoa dá um medo disgramado. Um medo de perder a liberdade, de não saber mais voltar. Agora? amar, primeiramente, só se for Eu, depois alguém. Que loucura essa parada de amar. De gostar. De se dedicar e fazer de tudo para agradar alguém. Quanto esse alguém, só te pisa. Só te usa. Felizes são aqueles que escolhem as pessoas certas.  Se é que existe uma pessoa certa. Tem uma frase que leio sempre, mas desconheço o autor: ”Espere. O destino vai trazer quem você merece.” Até quando meu Deus? Mas é isso. A gente não sabe quando e nem a onde está essa pessoa. O que não podemos e nós precipitar. Porque, você sabe. Insistir em algo que nunca dá certo é como calçar um sapato que não serve mais. Machuca, causa bolhas, às vezes até sangra. Aí você percebe que o melhor é ficar descalço. Deixar totalmente livre o coração, enquanto vive. Deixar livre os pés, enquanto cresce. Porque quando a gente vai crescendo, o número muda. E o que você insistia em por, não lhe serve mais. Às vezes na vida, você tem que esquecer o que você quer, para começar a entender o que você realmente merece.

Fernando Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário