29 de setembro de 2015

O SEGREDO DE UM AMOR FELIZ.




Eles não eram um casal perfeito. Não mesmo. Não era aqueles casais que a gente vê nas novelas em que o cara é super romântico e fazia tudo certo o tempo todo. E nem que a mulher fazia de tudo para agradar e dar o seu melhor. Para os amigos e familiares eles eram um dos casais mais lindos do mundo. Sim, até pra mim. Os dois se davam tão bem ao redor do povo que eles até se esqueciam que tinham brigado no dia anterior. As fotos que eles postavam eram de dar inveja, pois nunca tinha visto tanta felicidade e amor dentro de duas pessoas assim. Era raro. 

A certeza de que ainda existe amor no mundo que eles passavam para as pessoas era incrível. Ver os dois juntos dava até vontade de ter alguém. Ver os dois conversando, brincando, rindo, me dava vontade de arrumar um amor o mais rápido possível. Vendo os dois um ao lado do outro, surgia-me uma carência e um enorme querer de ter uma pessoa que me completasse assim como eles se completavam. Juro, eram tão lindos.

Mas só a gente de fora que tinha essa visão dos dois. Esse amor, essa cumplicidade e companheirismo que eles tinham só a gente notava. Mas só eles sabiam os momentos difícieis e tristes que passavam dentro de casa, de si e do coração. Eu de fora presenciava isso: O casal vinte. Mas só eles sabiam o que acontecia de verdade. Brigavam demais que chegava a ficar uns uns dias sem se falar, e nessa ausência de não manter contato, viviam um mandando indiretas para o outro. Cada um querendo ter a razão e ser a pessoa certa da história. Mas no fundo eles sabiam que tudo aquilo que tava rolando entre eles, por acontecer tantas briguinhas desnecessárias e ficarem uns dias sem se falar, era por orgulho bobo em ambas das partes. 

Mesmo havendo todas essas caras fechadas, bicos e birras, morriam de saudade um do outro. Ela não aguentava ficar longe dele. E por mais que estivesse certa, pedia desculpas para tê-lo de volta, e adorava aquela cara de bravo que ele fazia por ciumes quando brigavam por algo. E ele sempre a desculpava por que gostava tanto dela que não aguentava ficar longe também. E quando os dois se desculpavam, tudo passava a ficar mais bonito, mais leve e mais calmo. Depois da briga, ele ficavam até mais confortáveis e fortes. 

Eles sabiam que não podia deixar o amor morrer por besteiras. Sabiam que orgulho não era bom, pois o coração falava mais alto. Então matavam a saudade do jeito mais bonito que eles podiam fazer. Rapidamente um telefonava para o outro marcando um encontro imediato, para então, o perdão surgir e o amor de novo renascer. Se abraçavam tão apertados que parecia a primeira vez. Matavam a saudade do jeito mais lindo do mundo: fazendo amor com amor.  

No dia seguinte começavam tudo de novo. Iniciavam mais um novo amor. Era como se estivesse no ínicio de tudo. Todo dia para eles, era de nascer de novo. Tudo novo, limpo e com a mesma intensidade de se amarem. Parecia que nunca tinham brigados. Estavam curados do orgulho e satisfeito por estarem juntos. Um olhava para o outro e agradeciam por estarem felizes. 

Ela passava a imagem de uma princesa feliz e ele de um princípe encantado. E que juntos irão viver felizes para sempre, mas, não passavam de cão e gato que viviam brigando, e que no fundo, se amavam mais do que qualquer coisa no mundo.  

O segredo deles eram de não espalhar para os outros suas feridas, não compartilhar com o mundo suas tristezas, não sair contando para os setes ventos suas recaídas e nem sair por aí pedindo ajuda para arrumar um erro que foi cometido por eles mesmos, muito menos conselhos de amigos ou amigas que não sabiam exatamente o que falavam. Eles resolviam-se. Eles tinham total confiança em suas palavras que, ao invés de pedir conselhor às outras pessoas, eles se aconselhavam. O amor é isso: Pedir conselho para o próprio amor. Conversar e se entender com o próprio amor. Muitas pessoas que pedimos conselhos sobre nosso relacionamento não querem o nosso bem e nem querem ver a gente feliz ao lado de quem a gente tá. Por tanto, brigue, xingue, chore, insiste, mas depois, procure se entender, conversar e compreender tudo isso com o seu amor. Não existe nada melhor que um relacionamento que ambos tenham paciência para conversar, entender e perdoar.



Photo: Nathália Secafim e Kayque Cardoso.

Fernando Oliveira. 

Um comentário:

  1. Perfeito. É exatamente desse jeito que os relacionamentos se ajustam. Com paciência ee cumplicidade.

    ResponderExcluir