26 de novembro de 2015

NÃO ME DEIXE IR, POSSO NUNCA MAIS VOLTAR.



Não gosto da ausência de quem eu mais preciso e nem sentir saudade de algo que não é meu por completo. Odeio sentir falta daquilo que me faz bem e viver distante do que eu mais quero. Tava tudo uma maravilha até eu notar algo de estranho naquele cara e comentar com a minha amiga o porquê d'ele ter mudado teu jeito comigo.
De uns dias pra cá já não éramos mais a mesma coisa, e, aos poucos, ele foi se distanciando e se apagando de mim. E eu não me dou bem com isso, prefiro que vai embora de uma vez e não aos poucos. Ou some da minha vida ou nem aparece. Ir embora devagarzinho vai me cortando toda por dentro, e foi isso que ele fez. Foi partindo aos poucos, foi indo embora na calma como se eu não fosse sentir nada, mas já era tarde, eu já estava sentindo tudo.
Não me ligava durantes dias e as mensagens então, só respondia porque eu - A OTÁRIA - mandava. Na semana era super ausente e no final de semana era toda a minha saudade. Poderia não ter conhecido esse cara. Só aí então para eu não sentir essas borboletas revirando por todo o meu estômago e sim, saberia lidar com esses sentimentos que ele estava causando em mim.
Ele tinha uma mania feia de sumir quando eu mais precisava e aparecer quando eu já tava te tirando da cabeça. Parecia que ele sabia o que eu tava sentindo e surgia quando eu menos esperava, (igual naqueles filmes americano que o cara pula a janela e cai no quarto da garota dizendo coisas bonitas e a coitadinha acreditava em tudo novamente. Tudo bem que ele não teria coragem de fazer isso, mas ele dava um jeito de aparecer dizendo aquelas coisas bonitas que toda garota precisava ouvir, olhando com aquela cara de dengo precisando de carinho e eu, garota sensível e carinhosa, aceitava, perdoava e acreditava em tudo de novo). Tadinha de mim, tenho um coração mole. Não tenho culpa.
Alí estava eu, boba de acreditar em tudo de novo e bagunçando o próprio coração. Só aí então que eu notei que não era ele que tava fazendo a bagunça aqui dentro, e sim, Eu. Meu coração estava igual o meu quarto bagunçado. Tinha dia que eu acordava disposta para arrumar, mas a bagunça era tão grande que eu deixava para o outro dia. Fiz isso com o meu coração e me fodi. Sempre deixei para arrumar no dia seguinte e acabou acumulando esse entulho aqui dentro. E para arrumar essa bagunça toda não tinha que ser minha irmã, minha mãe, minha amiga ou meu pai e muito menos aquele cara que tanto bagunçou, pois tinha que ser Eu, a própria que deu a liberdade d'ele fazer toda esta zona.
Eu esperei tanto por uma atitude e resposta que nunca chegou da boca daquele cara, então não tinha por que eu esperar ele querer vir arrumar a bagunça que deixou ao sair, por que esse cara é mais relaxado que qualquer outro ser na terra, pois ao arrumar, ele vai querer bagunçar mais ainda. Decidi fazer igual eu faço na minha própria casa, pois tenho toque da limpeza desde pequena e odeio ver as coisas sujas e fora do lugar. Costumo arrumar tudo para então me sentir bem, e claro, farei isso com o meu coração, chega de dar a vassoura e a pá para ele varrer, sendo que ele tá sujando mais. Agora é comigo. Agora é tempo de eu mesma me limpar e jogar pra bem longe esse entulho acumulado.
Fiz de tudo por nós e por ele. Até aquilo que não estava no meu alcancei, eu tentei fazer e arrumar. De todos os jeitos fui levando, algumas vezes amor próprio me faltou, mas eu só queria o amor dele. Certo? Por inúmeras vezes eu o amei mais do que devia. E me pergunto: ''E ele?'' Aceitei todas aquelas verdades e anulei as minhas. Fiquei quieta. Fui aceitando e compreendendo tudo do jeito dele, como se nada tivesse acontecido. E ele? O quê ele fez? Fez porra nenhuma. Jogou-me para o alto. Jogou nosso ''amorzinho'' para o alto e sumiu.
Mas eu, Mulher madura o suficiente para encarar a vida sem precisar de homem algum, aceitei, concordei e superei. Vou deixar ele procurar em todas por aí o que ele só vai achar naquela garota que tanto lhe deu valor e que tanto te ajudou quando precisava, que era Eu, a própria. E quando ele realmente cair na real e perceber tudo isso que perdeu, será tarde demais. Não vou mais esperar que nem uma coitada. Chega! Não existe só um Homem no mundo e não dependo só dele para ser feliz. E juro, que quando ele aparecer de novo com aquela cara de safado e sínico dizendo: ''Oi, sumida. Saudades.'' Eu vou mandar ele se foder, e sem vaselina!!!
Fernando Oliveira.

2 comentários: