25 de agosto de 2016

TU DEVERIA MORAR BEM PERTIN DE MIM, NÉ?



Assim que vi o seu perfil, eu mesma afirmei: ''Uau... que interessante!'' A sua cor, o corte de cabelo e o jeito de olhar que me atraiu. Mas o que mais me chamou a atenção foram as reflexões, pensamentos, fotos incríveis, paisagens e lugares simples de uma pessoa que não precisa de muito para ter um sorriso feliz. Afinal, onde eu iria encontrar alguém assim? 

Foram trocas de curtidas, de comentários e de elogios, mas de nenhuma maneira eu estava me oferecendo ou me jogando pra cima de ti, foi tipo coisa do momento, sabe? Aquela empolgação de quando você - espontaneamente - olha para algo bonito e diz: ''Putis... eu quero pra mim!''

Papo vai, papo vem. Você me contando do que gosta de fazer e eu tentando te explicar o quanto a minha vida é bagunçada. Você dizendo que adora sair e eu só querendo tentar te dizer que eu quem queria parar de sair. Não que sair seja ruim, pelo contrário; eu gosto, mas é que eu tava precisando mesmo de uma pessoa que não me fizesse parar, mas que, por ela, fizesse eu amenizar um pouco esses dias de loucura, curtição e bebidas, para preferir a calmaria, um filminho, pipoca e amor de ladinho.

E foi acontecendo tudo assim mesmo; do nada e inesperadamente. Ninguém forçou a barra, fomos - aos poucos - criando esse carinho recíproco. De pequenas conversas: ''oi-tudo-bem-vai-fazer-o-que-no-fds'', passou a ser: ''oi-quando-é-que-a-gente-vai-se-ver?'', e foram dentro de alguns elogios bobos, que nós dois, naturalmente, fomos nos envolvendo.

Então eu fui levando, devagarinho e sem pressa, todo esse carinho no peito. Os dias iam passando, as semanas iam correndo, os meses voando, e cada noite indo dormir com o celular na mão de tanto falar contigo, me dava mais certeza de que você seria uma boa pessoa para mim. Afinal, porque não pensar assim? Você me passava confiança.

Não podíamos ficar uma horinha sequer sem manter qualquer tipo de contato que um mandava mensagem para o outro afirmando: ''Ei, não me esquece.'' E do outro lado tinha sempre um sorriso e uma resposta concreta: ''Ei, não te esqueço não.'' E era isso que me deixava esperançosa, boba, bagunçada e sem reação com todo esse carinho retribuído. Eu fui gostando, claro, adoro quem sabe me dar atenção.

Passou-se mais um mês e aqui estamos; você dizendo que quer me ver e eu sempre concordando, você dizendo que minha boca é a mais bonita e eu imaginando o nosso sorriso junto, você dizendo que quando me ver vai me dar aquele abraço de urso e eu pensando em te prender para nunca mais ir embora. E, sem querer, em um simples bom dia, acabei te chamando de amor.

Gostar de você é fácil, o difícil é ficar distante. Não adianta a gente tentar evitar ou fugir, quando é pra ser, tudo conspira à favor. Eu jamais imaginaria isso: de gostar e querer alguém que eu nunca vi, toquei e beijei. Gostar de alguém assim é meio louco, sabe? Dá um aperto no coração e um frio na barriga, que é até bom de sentir. Eu gosto disso, de sentir essa sensação gostosa de como é gostar de alguém. 

Achei que nunca fosse me apaixonar virtualmente por essa telinha e nessa distância. Ter um amor assim; virtual, na imaginação, de longe, é muita loucura. Logo eu quem sempre quis ter um alguém pertin, grudado, junto, para sempre, e do nada aparecer você, com esse teu jeitin manhoso, dengoso, sem forçar, sem implorar, chegando invadindo tudo, sem pedir licença, tomando conta desse coraçãozin sensível e frágil, ficando esse tempo todo e, mesmo de longe, me fazendo te sentir aqui do meu lado, me surpreendeu.

Hoje me deu uma vontade louca de pegar o primeiro ônibus do dia e ir parar aí na sua casa. Pular a janela do seu quarto e te acordar me jogando em cima de ti e gritando bem alto que o seu amor chegou. Mas eu só penso, sabe? Não tenho essa coragem toda. Já tivemos tantos desencontros e brigas, encontros marcados e não acontecidos, quando dá para um, não dá para o outro. Será que agora não é a nossa hora? E nem o nosso dia? Será que a gente tá só se cuidando pra quando chegar o dia exato e tudo acontecer porque tem que acontecer? Será que vai ser hoje, amanhã ou semana que vem? Será que a gente tem o nosso dia certo? Eu não sei, nem você, o bom é ir vivendo e nos cuidando. Afinal, nunca devemos ter pressa para o amor.

Eu ainda não sei explicar o que estou sentindo. Às vezes dá um medo de me entregar e não ser tudo aquilo que eu espero. Às vezes me assusto, acho que é só carência ou vontade, mas sempre tento pensar positivo; de que você chegou pra somar. Não sei se é amor, paixão, tesão, vontade, ou sei lá o quê - só sei que é bom de sentir. Engraçado, né? Existem coisas na vida que não tem explicação. Às vezes a gente não consegue dizer nada, só sentir. E o que mais queremos é dar aquele abraço, aquele beijo e dizer: ''É, que bom que você existe!'' Acho que gostar de alguém deixa gente assim mesmo; sem palavras, só sentindo.

Você poderia morar mais pertin de mim, sei lá; no bairro vizinho, na rua de baixo ou aqui na esquina de casa. Mas não tão longe assim. Ia te convidar hoje mesmo para assistir aquele filme que você gosta, separaríamos o colchão e o coração, você podia fazer o que quiser, só não queria que dormisse antes do the end. Você poderia nadar em mim, pular de cabeça, se afundar, e foda-se se o lençol ficasse molhadinho. Te desejar todos esses dias e não ter você por perto, dói. Te imaginar todas as noites e ainda sonhar contigo, me dá uma vontade em tanto. E eu odeio passar vontade. Mas te espero; hoje, amanhã ou quando for o nosso dia. E quem sabe; de um carinho criado na internet... fazemos virar aquele amor real.

Fernando Oliveira.

Um comentário:

  1. Minha vida neste texto, apaixonada pelo meu Gato Noir de Portugal, ele é tudo o que ninguem foi pra mim aqui tão perto, estranho como em pouco tempo, um amor online pode ser tão fisico e não preso a tela do computador. Espero te encontrar e ser tudo o que desejamos. Obrigada, pelas belas palavras de tudo que não consigo dizer, mas penso.

    ResponderExcluir