27 de setembro de 2016

BOA MADRUGADA, AMOR. [+18]



Já era 3 horas da manhã e ela ainda estava dormindo. Eu, sem sono algum, ouvindo uma das minhas músicas preferidas e saboreando um bom vinho, debrucei-me em cima dela e bem calmo, chegando perto do seu ombro, ataquei com uma mordida carinhosamente, me aproximei ao pé do seu ouvido dizendo bem baixinho:

― Acorda, amor! Acorda.

Ao falar puxando os ''erres'' com a voz rouca, já louco de tesão, disparei beijos em seu pescoço fazendo com que minha barba ralasse naquele ombro daquela mulher arrepiando-a por inteira. E, ao vê-la acordando e escondendo o rosto de vergonha, eu completei:

― Calma, amor, fica assim do jeitinho que você tá. Te acordei de um sonho; você não saberá o que foi ontem e nem do que será amanhã. Você só precisa saber do que é agora. E o agora não aceita menos do que o seu coração quer. E eu sei o que ele quer. Fica de lado. Isso, assim. Segura minha mão esquerda e deixa a minha mão direita te apertar na cintura. Calma, cruze as pernas nas minhas e sinta o meu volume batendo na sua porta. Abre, ele quer entrar. Sim, por completo. Todo. TUDO. Feche as janelas e a porta dos fundos porque ele não quer mais sair. Tava frio lá fora e aí dentro está muito quente. Sim, pegando fogo. Empina. Rebola. Faz aquele movimento de vai e vem e geme. Grita. Me chama pelo nome. Fala que é minha. Grita que sou seu. Morde o travesseiro, isso, assim, me arranha com vontade. Das portas que você me abriu, eu fiquei com as chaves. Um cara como eu não precisa pular a janela do vizinho, eu prefiro dormir em casa. Obrigado por ser minha casa, minha cama e meu sofá. Silêncio. Sente. Geme baixinho. Tô entrando mais. No fundo. Profundo. Tirei. Empina mais. Isso. Coloca você. Isso. Cruze as pernas nas minhas. Rebola mais. Não para. Geme. Segura no meu pescoço. Deixa minha barba roçar no seu ombro. Me abraça. Aperta. Me empurra pra dentro de você. Isso. Mais forte. Geme mais. Esquece o mundo lá fora. Agora somos só nós. Eu, você, um amor e duas taças. Tá demais. Tá na hora do mel. Do nosso mel. Do gozo. Do riso. Da satisfação. Do prazer. Não tem preservativo, não tem proteção. Calma. Vai dentro mesmo. Tô aqui contigo. Aperta minha mão; tu tá comigo. Vou até o fim. Eu quero sim e assim. Sinto uma sensação boa. Tô feliz. Leve. Completo. Não se sinta insegura porque eu gozei dentro. Se sinta bem. Feliz. Realizada. Porque eu vou contigo até o fim. E se lá pra frente, você estiver grávida, eu assumo, eu cuido, eu amo. Vai vir mais um anjo pra completar a nossa cama, a nossa vida, o nosso coração. E eu quero esse anjo. E você, ah, meu amor. Você é mais que um anjo, você é a mulher dos meus sonhos. Vem mais perto, me abraça e dorme. Te amo. 

Fernando Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário