31 de maio de 2016

SUA MORADIA É AQUI NO MEU CORAÇÃO.



Amor é cuidado. Levantei cedo, passei o café e decidi arrumar a bagunça que você deixou. Não na casa; mas aqui no coração. Coloquei Ana Carolina pra tocar e devagarinho fui limpando toda a sujeira que tava aqui dentro ao som da sua música preferida. Deu saudade, claro. 

Amor é saudade. Nas estantes, fotografias guardadas de momentos marcantes. Nas paredes, quadros abstratos que você me presenteou. No criado-mudo, nossa fotografia em que tiramos naquela festa junina de 2013. No sofá, ainda está impregnado o seu perfume e na minha mão; o meu coração. Na sala, vejo a sua sombra passando devagarinho e de fundo escuto o som do riso seu. Amor é ouvir um riso - sem a pessoa estar presente - de tanta saudade.

Sorrir é amor. Nosso quarto ainda tem todas suas lembranças. No pé da cama ficou um sapato seu. Na maçaneta da porta você deixou o seu colar preferido. Do lado do abajur você deixou um copo de café marcado de batom. Como não esquecer de ti sendo que você se foi mas esqueceu todas suas coisas aqui me fazendo lembrar? Esquecer algo na casa é amor.

Amor é esquecer a lingerie de propósito e usar como uma desculpa para ir buscar. Sua calcinha vermelha ainda está aqui no banheiro. Não joguei fora de propósito, pois sei que ainda vai vir usar. O armário ainda nem limpei só para ficar o seu aroma de todas as vezes que você se vestiu de amor para me agradar. Lavei nossos lençóis para as próximas noites intensas, mas nos travesseiros ainda tem suas marcas de batom para você limpar. O amor é deixar marcas. 

Amor é marcante; na casa, na pele e no coração. Na mesa da cozinha, ainda lembro de todos os sabores que você me fez provar. Beijos com mordidas. Puxões de cabelo com apertos na bunda. Tapas e mais tapas com gemidos duplos e sorriso safado no final. Minha casa tá toda decorada de você. Amor é sentir o prazer de fazer gozar.

Amor é orgasmo. Guardei um cômodo só para os seus abraços e outro para os seus beijos. Um para seus gritos e mais outro para seus desejos. Na cozinha ficou nossas provocações. Na sala as preliminares e no nosso quarto todo o nosso mel. O amor é marcar território.    

Amor são detalhes. Arrumei tudo aqui dentro e não joguei nada fora que me fizesse lembrar de ti. Por último, montei uma nova mesa na sala e já acendi a lareira esperando pela sua volta. Tem vodka, vinho, cerveja e poesia. Você escolhe. Te faço um strogonoff, coxinhas ou peço pizza. Você quem decide. Coração tá todo arrumado esperando pela sua volta. Vem logo e nem precisa bater na porta. Chega e entra. Estarei sentado no sofá com toda a sua saudade esperando para mais uma noite de poesia e amor, pronto para te receber em sua mais nova casa e moradia. Amor é aconchegar o outro amor. Amor mesmo que eu falo, é fazer ela morar - de novo - aqui dentro de mim.

Fernando Oliveira. 

19 de maio de 2016

TE ESQUECER NÃO É TÃO FÁCIL ASSIM.


Ainda lembro daquele dia que você chegou como uma pessoa qualquer de quem não queria nada com nada contando aquelas piadas sem graça fazendo eu e minhas amigas caírem na risada. Sério!, eu, por ter uma cara fechada e um olhar de pessoa brava, morro de rir com qualquer palhaçada. E aquele dia, mesmo eu não me sentindo tão bem com a vida, você me despertou - do nada - risos infinitos que até hoje, ao lembrar, morro de rir. 

Fiquei admirada com esse teu jeitinho simples de ser; único, encantador e humilde, que acaba abraçando todos ao seu redor. Até então, eu não sabia o que você tinha de bom guardado aí dentro, só ouvia todo mundo falando de ti e querendo ficar perto de você. 

Cá entre nós; adorei sua atitude aquele dia de chegar - inesperadamente - e bater um papo comigo e do nada, ao longo da conversa, surgir aquela troca de número. Eu não sou assim, de sair passando o número para qualquer pessoa, sabe; não é por mal, nem por ser arrogante. É porque... ah, eu não passo mesmo. Mas você foi diferente, não teve como dizer não. Foi educado, rendeu uma boa conversa, chegou como não queria nada e acabou levando meu número e o meu coração. 

Todas as conversas, os telefonemas, os áudios e as fotos que a gente vivia trocando um com o outro passaram a fazer parte do meu dia e que, se eu ficasse horas sem a sua presença-virtual ou pessoal, sentiria uma falta absurda. Você é uma daquelas pessoas que têm cheiro de Deus. Que gruda. Impregna. E que não da vontade de deixar de sentir nunca de tão bom que é. Mas eu gosto disso, sabe, de quem chega assim; devagarinho e vai conquistando o seu espaço e fica, não some, não corre, não foge. 

Não precisava me morder no ombro pedindo para eu não te esquecer amanhã. Nem precisava dar aquele beliscão-carinhoso no meu braço dizendo que só iria lembrar de ti por causa da marca. Aquela música que você me mandou eu escuto sempre, mas não é só ela que me faz lembrar de você. Tem tanta coisa que me faz pensar em ti, moreno. Tudo ao redor faz lembrar da pessoa que você é. Do carinho que você dá de coração. Do jeito que você me abraça não querendo mais soltar. Da sua voz rouca puxando os erres. Nem precisa dizer para eu não te esquecer. Não seja inseguro e nem tenha medo achando que vai ser fácil você sumir de mim. Você com esse - teu jeitinho de ser - eu guardei aqui no coração. E quem consegue conquistar o seu espaço e consegue entrar aqui, digo; no fundo, eu não esqueço nunca.

Fernando Oliveira.